Conta de luz terá taxa mais cara em setembro

A agência nacional de energia elétrica (Aneel) divulgou na última sexta-feira (31) que a conta de luz do brasileiro subirá ainda mais no mês de setembro. Esse aumento se deu devido a manutenção da bandeira vermelha de nível 2, o nível mais alto para cobranças adicionais. Com isso, a conta de luz dos brasileiros terá taxação de R$ 5 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. Segundo a agência, a manutenção da bandeira tarifária mais cara se deu pelas condições hidrológicas desfavoráveis.

Créditos: iStockphoto/Getty Images

Entenda como funciona:

Quando os recursos hídricos estão desfavoráveis, como, segundo a agência, no do mês de setembro, é adicionado uma taxa extra na cobrança do consumidor. Essa taxa, ou bandeira tarifária, podem ser amarelas, com a adição de R$ 1,00 a cada 100 kWh consumido, vermelha 1 (adição de R$ 3,00 a cada 100 kWh consumido ou, como foi o caso dos meses de junho, julho, agosto e agora setembro, a bandeira vermelha 2, com adição de R$ 5,00 por 100 kWh consumido. Ainda de acordo com a agência, não há previsão de retirada da bandeira vermelha 2 da conta de energia elétrica.

Energia solar:

A busca por fontes de energias renováveis vem crescendo substancialmente no Brasil e no mundo. Um aliado contra os gastos excessivos na conta de luz por exemplo, é o sol. Com a energia solar fotovoltaica, o medidor de energia da residência, prédio ou comércio é trocado por um medidor bidirecional. Ou seja, esse mecanismo faz o registro de energia injetado pela rede (sistema de energia solar fotovoltaica) e a quantidade de energia consumida. Essa compensação consta na conta do consumidor, gerando economia de ate 95% na conta de luz do consumidor.

Recentemente, o estado de Santa Catarina aprovou a isenção de ICMS para geração de energia distribuída. Isso resultará portanto em um prazo de retorno do investimento em energia solar ainda menor.